Desafio Aquático Campões da Vida

UM NOVO DESAFIO!

Em sua 4ª Edição, a competição de esportes intitulada Desafio Campeões da Vida trouxe a modalidade de natação que, neste ano, teve a participação de 111 crianças do Setor, com um grande diferencial: convidamos alguns alunos (crianças sem deficiência, de 7 a 12 anos) da Escola Municipal Pedro Américo, do Colégio Baronesa (particular), além de algumas do entorno da Instituição para que estes pudessem vivenciar tal experiência.

Este foi o grande diferencial: trabalhar a inclusão de forma inversa, permitindo aos participantes e seus familiares um possível momento bastante significativo, limitando a estes convidados mudanças de paradigmas e vivências, tudo isso de forma leve, “normal”. O termo “Inclusão Inversa” sugere a participação de pessoas sem deficiência junto a pessoas com deficiência. O objetivo maior desta ação foi promover avanços de pensamento junto a questão da exclusão (que, historicamente, é reforçada pelo distanciamento que, muitas das vezes, é permitido diante de uma pessoa com deficiência). Esta participação se concluirá em três fases. Na primeira, os alunos vieram à Instituição e conheceram toda a estrutura e as nossas crianças e adolescentes em atendimento, responderam a um questionário sobre a causa que garantiram se já haviam tido contato com este público que “parece”(mas não é!) ser tão distante de nós. No segundo momento, elas desfrutaram da competição e o terceiro, que está por vir, será um laboratório de atividades e vivências em suas próprias escolas (e junto à aplicação de um novo instrumento/questionário, avaliando como foram as experiências vividas). É importante ressaltar que, antes da deficiência, existe o ser humano que deve usufruir dos direitos de um cidadão. Ainda estamos muito longe de propiciarmos grandes mudanças, mas temos a certeza de que nossos convidados, crianças sem deficiência e seus familiares saíram desta Obra com um novo olhar, mais sensíveis. Acreditamos nesta mudança de mente e, sobretudo, no entendimento à respeito das diferenças.
Para realização do evento, contamos com o apoio de todo o Setor de Esporte da OSDM, além de voluntários e estagiários garantindo uma melhor realização das atividades. Separamos os Participantes em diferentes baterias, buscando mesclar crianças com e sem deficiência. Ao final do evento, todos foram medalhados, pois todos são campeões nos mais diversos aspectos da vida (e, afinal, por se proporem a quebrar as barreiras impostas pela sociedade). Todos receberam um lanche completo (com suco, frutas, biscoito e mais). Por fim, buscando entender os espectadores e compreender melhor o que os participantes e seus familiares acharam das atividades, fizemos um grande mural de recados. Além disso, convidamos algumas crianças, familiares e profissionais para deixarem seus depoimentos sobre o que acharam da ação. Em breve, postaremos vídeos em nosso canal no youtube. Então, fiquem ligados e inscrevam-se para não perder nenhuma novidade!

Esta ação foi realizada pelos membros do Projeto Nadar para desenvolver, patrocinado pelo Instituto MRV.

Texto escrito por Raquel Peres – Coordenadora de Projetos Esportivos da Obra Social Dona Meca – contato: r.peres@osdm.org.br

VAMOS_CONSTUIR_UM_MUNDO_MELHOR

VAMOS CONSTRUIR UM FUTURO MELHOR?

A Obra Social Dona Meca acredita que -juntos(!)- podemos construir um futuro melhor para nossas crianças. Mas, para isso, precisamos da participação de todos!

Há 10 anos, decidimos que queríamos ser mais que um Centro de Reabilitação para crianças e adolescentes com deficiência. Queríamos dar oportunidades também àqueles que se encontravam em vulnerabilidade social e necessitavam não apenas de uma residência, mas verdadeiramente de um Lar, onde pudessem desfrutar do cuidado e da proteção de que tanto careciam. Nesse sentido, sempre ampliando o acolhimento aos tratamentos terapêuticos e de reabilitação oferecidos pela Obra Social, foi fundado em 2007, o Casa Lar Dona Meca. Hoje, a unidade é referenciada em todo o Estado do Rio de Janeiro, e tem capacidade para até 20 crianças e adolescentes (0 a 18 anos) com deficiência em programa de acolhimento institucional.

Em 2015, sobretudo como resposta à demanda que existe em nosso município e que, inevitavelmente, bateu às nossas portas, nos aventuramos em uma nova empreitada com a fundação do Casa Lar Balthazar, que acolhe até 20 crianças de 0 a 6 anos ( a principio, sem deficiência) e que, em curto espaço de tempo, também foi reconhecido pelo trabalho desenvolvido. O Casa Lar Balthazar, fundado em regime emergencial, não conta ainda com estrutura que julgamos ideal aos nossos pequenos. Ainda, o imóvel onde se encontra instalado é alugado, o que além de representar um custo a mais à instituição, limita-nos bastante nas adaptações que o dia-a-dia nos impuseram.

Por isto, em 2016, criamos a campanha “Se Essa Casa Fosse Minha”, com o objetivo de oferecer um espaço mais adequado aos nossos acolhidos. As mudanças representariam não apenas uma melhor qualidade de vida a elas, como também um aperfeiçoamento da logística que permeia as unidades de acolhimento mantidas pela Obra Social Dona Meca: com toda a infraestrutura em um só espaço, economizaríamos em serviços e funcionários. Entretanto, para realizarmos este sonho, precisamos do apoio de todos.

A primeira etapa foi cumprida: através da campanha de financiamento coletivo e da colaboração de alguns doadores pontuais, conseguimos um terreno para esta futura instalação e iniciamos as obras. Agora, precisamos, a cada dia mais, dos amigos da Obra Social Dona Meca que, através da doação de materiais, serviços e recursos podem fazer parte desta missão. Vamos todos juntos construir um futuro melhor ?

Contribua – Bradesco Ag: 3333 C/C:00925-0

Feijoada_beneficente_2017

2ª Feijoada Beneficente

Mais um evento de sucesso, ocorrido no domingo, dia 08/10: a Segunda edição da nossa famosa Feijoada Beneficente. Ao som de um bom samba de raiz, todos puderam degustar uma maravilhosa feijoada, que dava água na boca só de olhar. Paralelamente, nossos corações alegraram-se e enchem-se de amor ao sabermos que todo o evento foi realizado em prol da ampliação do nosso escopo de acolhimento institucional. Queremos agradecer a todos os envolvidos nesta ação: tanto os que trabalharam viabilizando-a, seja na organização, na própria cozinha, ou como voluntário no evento- quanto os que de alguma forma prestigiaram-na, contribuindo para que esta Obra do Bem se concretize.

“Gostei muito do evento! Parabéns para vocês que se dedicaram à preparação. Estava impecável! A visita no Casa Lar foi muito boa. Peguei a Sarinha no colo ❤” Eduardo Nascimento – Padrinho mensal da Casa Lar Dona Meca.

Certamente foi um Domingo muito especial e gratificante. terminamos o dia com a sensação de que estamos no caminho certo, com a companhia de muitas pessoas queridas e engajadas.

Texto escrito por Ana Carolina Xavier – Responsável pelo setor de Relacionamento e Apadrinhamento da Obra Social Dona Meca – contato: a.xavier@osdm.org.br

Primeiro torneiro de Bocha na OSDM

PRIMEIRO TORNEIO DE BOCHA

Em Setembro ocorreu o primeiro Torneio de Bocha da Obra social Dona Meca e, para entendermos melhor o que isso significa, precisamos compreender, de uma forma mais ampla, esse contexto e a importância de tal evento.

A Bocha foi introduzida nos Jogos Paralímpicos em Nova York e Stoke Mandeville, em 1984, sendo um esporte que requer concentração, controle muscular e muita precisão. No contexto Paralímpico, ela é destinada a pessoas com paralisia cerebral (ECI) e outras patologias neurológicas. Praticada, atualmente em 42 países, ficou conhecida no Brasil em 1995 por dois atletas brasileiros inscritos no atletismo no Pan Americano de Mar Del Plata, (convidados a participar -de improviso- no torneio de bocha, visando a aprendizagem e a futura implantação do esporte).

As primeiras competições de bocha adaptada no campo da deficiência aconteceram na Dinamarca, em 1982.
Em 2016, com as Paralímpiadas do Rio e com o sentimento de que seria algo que poderíamos trabalhar em conjunto (em prol de um novo norte para os nossos atendidos), a bocha foi introduzida na grade de atividades do setor de esportes na OSDM.

O Torneio contou com medalhas para todos os Participantes – foram 8 atletas da OSDM e dois convidados sensacionais: o nosso querido amigo Léo Barcellos ( que realizou seu sonho de jogar bocha pela primeira vez!) e o paratleta Matheus. Além deles contamos com a participação de Bruna Nogueira, árbitra oficial de bocha e regulamentada pelo CPB. O Torneio foi emocionante e, sem dúvidas, um grande marco para todos nós, da Obra Social Dona Meca. Gostaríamos de aproveitar para parabenizar todos os envolvidos e os nossos grandes guerreiros!

Texto escrito por Anderson Gama e Redney Cruz – Respectivamente responsável pelo setor de Comunicação e Marketing e Profissional de Educação Física atuando no setor de Esporte da Obra Social Dona Meca – contatos: a.gama@osdm.org.br e r.cruz@osdm.org.br. Revisão Técnica – Raquel Peres (r.peres@osdm.org.br)

Veja o que rolou!

Blog do cotidiano da OSDM

BLOG DO COTIDIANO

Em Setembro foi lançado o Blog do Cotidiano: um sonho antigo do Setor de Comunicação e Marketing da Instituição e um pedido dos nossos mais diversos públicos. Falamos isso, pois, a cada vez que inseríamos espaços sobre a realidade de nossos pequenos, compartilhávamos histórias do seu dia-a-dia e de suas vitórias, víamos uma repercussão muito positiva. Decidimos, então, utilizar isso para empodeirá-los, auxiliar no nosso processo de comunicação e dar a oportunidade deles se expressarem e serem ouvidos. Afinal de contas, a Obra Social Dona Meca conta com uma vasta presença comunicacional on e off-line, então, por que não utilizarmos disto para dar voz a quem mais interessa ? Esta foi a pergunta que nos gerou inquietação, pois gostaríamos que o processo contribuísse, de uma forma global e integrada, para os nossos adolescentes. E então, em uma conversa informal com as profissionais do setor de Terapia Ocupacional ( Amanda Portella e Patricia Lorena) da Instituição, foi apresentada a ideia de seguir um planejamento terapêutico que iria contribuir a desenvolver as AVDs das crianças e todo esse acompanhamento (e a garantia do ganho seriam realizados) das profissionais. Desta forma, elas trabalhariam a coordenação motora, fina atenção e concentração participantes, através do processo da escrita e em seguida, transmitiriam tudo ao computador, (para isso, utilizamos um computador adaptado com teclado e mouse que proporcionariam uma melhor usabilidade de nossos pequenos).

Conforme o processo foi se desenvolvendo, outros profissionais adquiriram interesse em participar da iniciativa, pois perceberam que a mesma traria benefícios diversos, de acordo com a necessidade de cada uma de nossas crianças. Hoje, nós somos 9 (5 profissionais e 4 adolescentes), que tem muito pra dizer e compartilhar. Nomeamos este espaço como “Blog do Cotidiano” e já postamos alguns textos por lá. A ideia é que os profissionais relatem como o trabalho tem sido desenvolvido, seus ganhos e etc. Enquanto isso, nossos adolescentes falam do seu dia-a-dia e dos fatos que mais lhe interessam. Acesse nosso site para saber mais: www.blogdocotidiano.com.

Texto escrito por: Anderson Gama – Responsável pelos setores de Comunicação e Marketing da Obra social Dona Meca – a.gama@osdm.org.br
Colaboração – Amanda Portella e Patricia Lorena (a.portella@osdm.org.br e p.lorena@osdm.org.br)
Revisão técnica – Alexsandra Manhães (a.manhaes@osdm.org.br)

 

Setembro amarelo na OSDM

EM PROL DA VALORIZAÇÃO DA VIDA

Durante o mês de Setembro, ao redor do mundo inteiro, acontece a campanha conhecida como ‘’Setembro Amarelo’’, que fala sobre a valorização da vida e a conscientização da prevenção contra o suicídio. O Setor de Psicologia da OSDM aderiu à campanha, trazendo para esse tema rodas de debate e conversa, dentro da nossa semana de orientação. Além disso, como parte da ação, a Instituição vestiu-se de amarelo nossos colaboradores e voluntários que se propuseram a ouvir a todos que desejassem conversar e espalhamos mensagens sobre a valorização da vida por toda OSDM.

Devido aos números alarmantes envolvendo suicídio no Brasil, achamos importante levar esse tópico aos responsáveis, colaboradores e voluntários, trabalho este que impacta diretamente em nossas crianças. Nosso objetivo é informar, desmistificar em alguns pontos, trocar informações e, ainda que de forma relativa, capacitar ao máximo as pessoas para saberem conduzir da melhor forma uma situação que possa ser vivenciada por algum vizinho, membro da família ou mesmo por alguns de nós em relação ao tema. Buscamos trabalhar de uma forma bem dinâmica e utilizando, sempre, como gancho a valorização da vida, demonstrando que existem outras opções e, é claro suavizando um tema que é considerado por muitos como tabu. Afinal de contas, falar é sempre a melhor opção, pois, além de conscientizar através do diálogo, conseguimos chegar até o próximo que possa estar precisando de alguma palavra amiga ou de um acalanto. Nós acreditamos na humanidade e temos certeza de que, cada um se envolver nesta luta, levar a sério tal questão e tratá-la abertamente, esses números poderão diminuir ou, até mesmo, desaparecer.

Texto escrito por: Henrique Almeida – Psicólogo da Obra Social Dona Meca – h.almeida@osdm.org.br

25 ANOS

Esta é a 5ª Edição da nossa linha do tempo. Decidimos desenvolvê-la para demonstrar aos nossos amigos e parceiros a trajetória da OSDM até os 25 anos de reconhecimento.

Linha do tempo 5 edição

 

Página 1 de 2412345...1020...Última »