UMA NOITE AO SOM DA VIOLA!

No dia 21 de setembro, realizamos nossa 3ª Noite de Caldos, já tradicional na programação da OSDM. Foi uma noite muito agradável e familiar, onde tivemos a oportunidade de compartilhar alegria com todos que compareceram e vieram prestigiar o evento.

Foram servidos caldos de inúmeros sabores, que agradaram a todos os nossos convidados. Além disso, tivemos também: sobremesas, salgados e muita comida boa para embalar a nossa noite. Os presentes aproveitaram para fazer compras no Bazar e no Brechó que estavam com um espaço destinado a eles.

Nossos convidados dançando em nossa terceira noite de caldos

Para dar mais vida a festa tivemos duas apresentações: a primeira do Fábio Rocha (Cantor e Compositor), que embalou nossos convidados ao som da MPB. E contamos, mais uma vez, com a presença do Grupo Carioca de Viola “Caipirando”, que possui cerca de trinta músicos. O grupo surgiu em 2010 com o objetivo de aprendizagem da viola e se transformou em um dos projetos de celebração à cultura caipira. Atualmente, o grupo tem repertório constituído por clássicos, além de composições autorais. O Projeto Caipirando tem como objetivo levar, para a cidade maravilhosa, o universo cultural e original da música sertaneja, com a tradicional viola. Aos sons da Viola do Grupo, os convidados da OSDM curtiram de tudo um pouco. Foi, de fato, um dia onde ninguém conseguiu ficar parado, a exemplo de Dona Dina Gomes, de 92 Anos, que com o apoio de seu andador, dançou e brincou durante toda a apresentação do grupo: a mesma disse ter “gostado muito da festa!” E, para terminar o espetáculo com chave de ouro, um grupo de crianças participantes do evento – fez uma apresentação única e exclusiva para toda a platéia, com o apoio de violeiros e do berrante do Caipirando.

 

Dona Dina Gomes

Dona Dina Gomes

 

Entrevistamos, ainda o professor Henrique Bonna – membro e porta-voz do Caipirando – e ele nos contou sobre a experiência de participar e tocar na 3ª Noite de Caldos da OSDM: “Foi muito bonito e ficamos agradecidos de poder tocar e fazer parte pela terceira vez desse evento que, a cada ano, vem crescendo mais. O pessoal que compareceu estava com uma energia muito boa. Essa casa merece, faz um trabalho muito bonito e importante para a nossa sociedade, para o Rio de Janeiro… merece isso e muito mais”.

A 3ª Noite de Caldos da OSDM foi um sucesso e isso se deve a todos que abraçaram a causa, aos que vieram e trouxeram seu amigos e familiares, a todos que se voluntariaram para realização do evento, aos que ajudaram compartilhando, convidando, divulgando. Assim, gostaíamos de agradecer a todos os envolvidos por mais este dia de alegria e celebração em prol de nossa casinha do bem!

Texto escrito por Leonardo Rocha – Voluntário do Setor de Comunicação e Marketing da Obra Social Dona Meca – contato: l.rocha@osdm.org.br

RESSIGNIFICANDO O CONTEÚDO PEDAGÓGICO

A Pedagoga Tânia de Oliveira foi convidada pela Universidade Estácio de Sá para ministrar uma aula sobre sua experiência com crianças com deficiência. A mesma ocorreu no dia 25 Setembro, às 20h, no Campus R9 Taquara.

A aula foi baseada em três temáticas: acolhimento da família, apoio de equipe multidisciplinar e conteúdo pedagógico adaptado.

Quando falamos de acolhimento estamos, não apenas, nos referindo à criança com deficiência, mas também à sua família. É muito comum o relato dos pais temerosos em deixarem seus filhos em uma sala de aula, com mais de uma dezena de crianças e uma pessoa que eles jamais viram na vida. O diálogo entre o profissional e a família é de fundamental importância durante a adaptação e ao longo do ano letivo.
As especificidades vão muito além dos diferentes tipos de deficiência. Cada pessoa, ainda que com a mesma deficiência, apresenta características diferentes, além dos traços individuais, níveis de funcionalidade e de personalidade.

Então, a Equipe Multidisciplinar vem trazer, para a Instituição de Ensino, as características daquela criança. Em contrapartida, é necessário que esta Equipe compreenda que a Escola é autônoma em suas decisões. E como evitar o conflito? A Escola deve compreender que haverá necessidade de adaptações para trabalhar com aquele aluno com deficiência. Em paralelo, a Equipe Multidisciplinar não pode transformar a sala de aula em uma sala terapêutica. E mais uma vez, caímos na máxima: “Dialogar é preciso”!

O conteúdo pedagógico precisa ser ressignificado.

Existe uma ideia no imaginário coletivo de que “aprender a ler e escrever é o que determina um bom trabalho pedagógico”. Acontece que algumas crianças podem não alcançar esse objetivo. Porém, é preciso ressaltar que muitas outras habilidades e conhecimentos podem ser desenvolvidos e/ou adquiridos.
A dúvida dos futuros profissionais sobre esse tema está em como mostrar aos pais o trabalho realizado, uma vez que muitos não têm atividades em folhas.
Uma das saídas é uma nova forma de dar a devolutiva aos pais, como por exemplo, relatórios em fotos e vídeos.

E o mais importante: a relação interpessoal entre os profissionais de educação com seus alunos. A criança não compreende que o sistema pouco contribui para sua inclusão. O que ela realmente sente são as relações interpessoais com seus professores e demais funcionários, bem como com seus colegas de sala.

Texto escrito por Tania Oliveira – Pedagoga da Obra Social Dona Meca – contato: t.oliveira@osdm.org.br

VAMOS FALAR DE DEPRESSÃO?

No mês de Setembro, aconteceu a Semana de Orientação do setor de Psicologia, oferecida aos responsáveis da Instituição. Com o tema “Depressão: precisamos falar sobre isso”, a palestra visa levar informação às pessoas a respeito dos sintomas que caracterizam essa doença, possíveis causas e, ainda, refletir a respeito de mitos que envolvem um assunto tão em pauta na atualidade.

A ideia foi aproveitar para abordar o assunto em referência à campanha “Setembro Amarelo” que é realizada internacionalmente e a qual à OSDM tem aderido há 3 anos. Com o objetivo de alertar a população quanto à prevenção do suicídio (sendo, muitas vezes, a forma mais grave de depressão) e a valorização da vida, entendemos ser necessário chamar a atenção para esta questão de saúde pública.
A proposta foi: um diálogo aberto onde todos ficassem à vontade para interagir e compartilhar suas dúvidas, proporcionando um espaço acolhedor, por acreditarmos que falar é esclarecedor e promove autoconhecimento.

Texto escrito por Nívea D’Alincourt – Psicóloga da Obra Social Dona Meca – contato: n.dalincourt@osdm.org.br

A CADA DIA, MAIS PRÓXIMOS DO NOSSO OBJETIVO!

 Desde 2016, nos jogamos em uma empreitada para levar mais conforto, comodidade e bem estar às crianças e adolescentes acolhidos pela Obra Social Dona Meca. E, nestes três anos de muita luta e suor e com ajuda fundamental dos Amigos e Parceiros da OSDM, estamos conseguindo atingir nossos objetivos gradualmente. Entretanto, por mais próximos que possamos estar do término de nossa obra, ainda precisamos do apoio de todos para conseguirmos, enfim, que os nossos pequenos tenham a sua nova casa!

Em 2017, conseguimos comprar o terreno e começamos a obra: primeiro, pelos alicerces e acessibilidade!

Em 2018, levantamos a sustentação da edificação e avançamos na alvenaria de nosso novo lar.

No primeiro semestre deste ano, finalizamos toda a alvenaria, começamos a montar a parte eletrica e instalamos o elevador.

Doe qualquer valor: Bradesco Ag: 0864  C/C:7129-3

Ajude-nos a construir este sonho!

Entre em contato e saiba mais: contato@osdm.org.br | (21) 2446-3674

 

UM RECONHECIMENTO AOS NOSSOS ESFORÇOS

Há algum tempo, a equipe da Obra Social Dona Meca vem pensando e repensando formas de trazer recursos à Instituição e, em paralelo, impactar a sociedade em que vivemos (para que a mesma ofereça mais oportunidades de igualdade às Pessoas com Deficiência). Afinal de contas, nossos pequenos fazem parte da sociedade e sua integração -de forma plena- é um direito garantido por lei (LBI – LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015).

Por isso, começamos a desenvolver projetos de sensibilização à causa das PcDs, utilizando sempre a experiência adquirida nos mais de 25 anos de Instituição, relatos de crianças e jovens com deficiência (e suas mães) e o saber de nossos especialistas. Isto resultou em um material extenso atualizado a todo momento, buscando trazer novidades e pontos que acreditamos ser pertinentes ao debate. Além disso, desenvolvemos ações e experiências, onde os participantes podem compreender um pouco da realidade da PcD. A ideia é que todo o público deste evento desenvolva a sua empatia.

Pessoa em cadeira de rodas

Este é o Projeto Empatia, que, desde o seu começo até hoje, já nos rendeu mais de 28 atividades, aproximadamente 640 pessoas em público atendido, 93,4% de satisfação dentre participantes, 100% de satisfação dentre Escolas/Empresas e um crescimento no número de Padrinhos/Madrinhas, que contribuem para a manutenção de nosso trabalho. Além disso, muitas empresas acham este projeto tão interessante, que decidem fazer doações pontuais (em recursos); ajudando a Casa, convidando tal palestra e recebendo os benefícios da mesma.

Em Agosto, o projeto foi visto como uma medida inovadora e com alta capacidade. Após um relatório de execução (entre Novembro de 2018 e Fevereiro de 2019), o mesmo ganhou o prêmio de 3º Lugar no Programa de Capacitação em Saúde para Organizações do Terceiro Setor, do Grupo Fleury (Projeto DOM). Além do reconhecimento, fomos contemplados com um valor de R$15.000,00 (6,5% do custo mensal da manutenção de nossas 3 unidades), para ajudar no desenvolvimento do trabalho da Instituição.

Então, se interessou pelo Projeto Empatia e quer levá-lo para sua Empresa/Escola? Basta acessar: www.osdm.org.br/empatia, preencher o formulário e esperar o contato de nossa equipe técnica sobre a viabilidade da realização. Vamos juntos trabalhar para construir uma sociedade melhor às nossas Crianças e Adolescentes ?

Texto escrito por Anderson Gama.

“SUSTENTAOQUÊ”?

Você já ouviu falar em sustentabilidade? Provavelmente, a primeira resposta que vem à sua cabeça é “não”. Pensando com mais calma, é capaz que você se lembre da “Sustentabilidade Ambiental” (principalmente em tempos como os que vivemos). Mas… não é de “manutenção ecológica” que iremos falar e nem foi esse o tópico abordado na semana de Orientação do Setor de Sustentabilidade da Obra Social Dona Meca, que ocorreu na última semana de Agosto.

A sustentabilidade da OSDM é a área que busca proventos e formas de manter a Instituição, seja através de projetos, convênios, doações, patrocínios ou plataformas. Como a gente gosta de brincar: “fazemos uma grande colcha de retalhos”, em prol de manter todo o trabalho desenvolvido há mais de 25 anos, pela Instituição.

Pensando nisto, montamos uma atividade com ações que vemos com grande potencial e podem ser disseminadas pelos responsáveis e todos os Amigos da OSDM. Além disso, tiramos dúvidas, falamos da importância destas e mostramos alguns números.

Dentre as mais de 10 formas existentes para ajudar a Instituição separamos 4:

Presente Consciente – Uma plataforma onde pessoas cadastram suas festas e seus presentes tornam-se doações (monetárias) para a Instituição. Há 5 anos cadastrados na plataforma já arrecadamos pouco mais de 30 mil reais, o suficiente para quase 1 ano de uma terapia a aproximadamente 50 pequeno e jovens.- www.presenteconsciente.com

Projeto Empatia – Onde levamos – a escolas e empresas- um pouco de nossa experiência e alguns atividades, buscando sensibilizar pessoas sem deficiência à causa da PcD. Tal projeto é uma ótima forma de ampliar a luta em prol da plena inclusão de nossas crianças e jovens. Além disso, arrecadar fundos para a Instituição. – www.osdm.org.br/empatia

Bem Eficiente-Nosso crowdfunding recorrente, onde pessoas doam valores mensais para manutenção dos setores de pedagogia, fonoaudiologia e psicologia. www.abre.ai/eficiente

Apadrinhamento-Nosso queridinho, onde, com uma doação a partir de R$ 60,00 o/a Padrinho/Madrinha confia no trabalho executado, doa e acompanha a evolução de um beneficiário da Instituição www.osdm.org.br/apadrinhamento

Por fim ouvimos dicas e sugestões dos responsáveis ao próximo dia de Doar, em Dezembro deste ano. Foram dias muito bons para todos nós. Muito obrigado por esta troca

Texto escrito por Anderson Gama – Membro do setor de sustentabilidade da Obra Social Dona Meca – contato: a.gama@osdm.org.br

BRINCAR x ELETRÔNICOS

De 19 à 22 de Agosto, houve a Semana de Orientação às famílias do Setor da Oficina do Brincar na OSDM, com o tema: “A Oficina do Brincar e a importância da brincadeira para o desenvolvimento da criança com deficiência”.

This image requires alt text, but the alt text is currently blank. Either add alt text or mark the image as decorative.

Numa conversa agradável com a participação e a troca de experiências entre os responsáveis, foram abordados alguns assuntos. Dentre eles: os objetivos da Oficina, a parceria dos voluntários (pois este é um Setor formado exclusivamente por voluntários), a importância da freqüência nesta terapia que auxilia todas as outras no desenvolvimento da criança, a brincadeira como fator relevante no desenvolvimento cognitivo e afetivo dos pequenos, as dificuldades encontradas (e como atenuá-las), a singularidade de cada ser (e o poder das relações sociais para seu desenvolvimento), a seriedade no apoio ao ato de brincar no seu cotidiano, a mudança do olhar da deficiência para a competência de cada um, o valor da família na brincadeira e a redução do uso de eletrônicos.

Texto escrito por
Raquel Terra – Coordenadora da Oficina de Brincar e Fonoaudióloga da Obra Social Dona Meca – contato: r.terra@osdm.org.br

1º CONGRESSO DE AUTISMO

Nos dias 27, 28 e 29 de Junho, ocorreram o “1º Congresso Internacional sobre os Transtornos do Espectro do Autismo: atualização clínica e cientifica” e o “1º Encontro Internacional de Associações, Familiares e Cuidadores de Autista”, realizados, ambos, pela Associação Caminho Azul. E nós, da Obra Social Dona Meca, fomos convidados para participar do evento e estivemos lá em quatro diferentes frentes, sendo:

 

Parte de nossa equipe com a nossa diretora

Gustavo Ralgas, demonstrando seus Desenhos

 

  1. Participação de profissionais no Congresso: Buscando desenvolver, ainda mais, o trabalho da OSDM, a Caminho azul disponibilizou inscrições -de forma gratuita- para membros da equipe técnica da Instituição (que lidam diretamente com crianças e adolescentes com autismo), para que os mesmos pudessem se atualizar em relação ao tema, com informações de profissionais gabaritados de padrão nacional e internacional.
  2. Participação de Mães de alguns dos beneficiários da Instituição no Encontro: para que as mesmas pudessem entender um pouco mais sobre a nuâncias do tema, trocar experiências e conversar.
  3. Presença de nossos voluntários no Espaço Rosas: um espaço pensado com todo carinho, para acolher as famílias de Instituições beneficentes (como a OSDM) que também receberam o convite ao encontro Um local para que estas pudessem confraternizar, se alimentar e tomar um café ou chá.
  4. Espaço cedido para montagem do Stand da Instituição: espaço destinado a divulgar o trabalho desenvolvido, há mais de 25 anos, pela Obra Social Dona Meca, nossas conquistas e as conquistas de nossos pequenos (e dos não tão pequenos assim). Contamos, também, com uma pequena exposição de artes em dois segmentos: esculturas e desenhos. As do primeiro grupo, foram desenvolvidas por Marcos Vinicius adolescente com autismo, atendido pela Obra Social Dona Meca: Marcos desenvolveu belas esculturas algumas feitas com massinhas, outras com biscuit. Já o segundo grupo, foi desenvolvido por Gustavo Relvas, jovem com autismo, que foi atendido pela Instituição até 2014. Além disso, os dois estiveram em dias distintos em nosso stand, para demonstrarem seus trabalhoso. Além dos dois, contamos ainda com a presença de Leonardo Jacinto -adolescente que foi atendido pela OSDM até 2017- com seu professor da escola de música Villa Lobos, para cantar e encantar os participantes do evento.

Leonardo Jacinto sorteou uma camisa para os demais participantes do congresso

Marquinhos com uma de suas artes expostas no evento

 

Foram três dias de muitas emoções, felicidade, troca de experiências e aprendizado. Gostaríamos de parabenizar a todos por sua maestria na produção do evento e agradecer pelo carinho e afago com que todos nós -da OSDM- fomos recebidos.Por fim, um agradecimento especial ao Dr. Caio Abujadi, nosso amigo e idealizador do Projeto, que fez o seu melhor, em prol de proporcionar uma experiência ímpar para os membros da OSDM.

Texto escrito por Anderson Gama – Responsável do Setor de Comunicação e Marketing da Obra Social Dona Meca – contato: a.gama@osdm.org.br

Fotos: Jo Prazero e Acervo Dona Meca

MAIS ARTE NO NOSSO DIA

Nos dias 24, 25 e 26 de Julho, aconteceu a exposição do nosso artista Marcos Vinicius Pereira do Nascimento, de apenas 13 anos, com diagnóstico de TEA.

Suas peças feitas com massinha de modelar e biscuí encantam a todos que as contemplam e chamam a atenção pela riqueza de detalhes.

Como reconhecimento deste talento, Marcos foi convidado a mostrar suas esculturas no 1º Congresso Internacional sobre Autismo do Rio de Janeiro, no estande da OSDM.

Porém, não poderíamos deixar de expor, também em nossa Sede, as obras desse artista que está conosco desde 2012.

Na quarta-feira, 24/07/2019, ele esteve presente e, ao longo do dia confeccionou alguns mimos para as pessoas que prestigiaram seu trabalho.

 

Marquinhos posando para foto ao lado de sua terapeuta

Marquinhos posou para foto com outros terapeutas.

 

Suas esculturas têm temas variados, mas que despertam o interesse e a curiosidade de Marcos.

Polvos, caranguejos, dinossauros. a turma do BOB Esponja, Goodzilla, dentre outros… encantaram os olhos daqueles que estiveram prestigiando a exposição.

Algumas peças minúsculas como a zebra, muito bem marcada com suas listras em preto e branco.

A perfeição dos traços do personagem do BOB Esponja, com suas cores vivas e bem demarcadas, apesar do tamanho: menos de 2 cm!

Algumas das artes em massinha de Marquinhos

Outra peça que instigou a todos foi o polvo, com os tentáculos e ventosas muito realísticas.

A “mostra” ainda contava com o Goodzilla e o Dragão de 3 cabeças.

Por fim, o charme da réplica da Estátua da Liberdade, de aproximadamente 8 cm.

Vale ressaltar o trabalho realizado pelo corpo técnico da OSDM, convergendo para estimular e oportunizar que talentos, como o de Marcos, possam se desenvolver, valorizando suas potencialidades.

Texto escrito por Tânia Oliveira – Pedagoga da Obra Social Dona Meca – contato: t.oliveira@osdm.org.br