Semana Esportiva OSDM

Em Julho, a Obra Social Dona Meca realizou a “Semana Esportiva OSDM”. Com o objetivo de melhorar a socialização das crianças, foram organizados “mini eventos esportivos” que pudessem atender os pequenos e jovens da Casa de forma segura e divertida. Realizamos as atividades – divididas por modalidade e em pequenos subgrupos – seguindo o Protocolo Olímpico de forma adaptada: entrada da Bandeira do Brasil e da OSDM, Hino Nacional, Tocha Olímpica simbólica, entrega de medalhas aos participantes… Tudo com direito a pódio, foto e certificado de participação! Com o fim das Olímpiadas e o início das Paralímpiadas chegando, a prática do esporte para nossos “Atletas OSDM” se torna ainda mais especial. 

As atividades físicas ajudam a melhorar a autoestima, o convívio social e, consequentemente, a qualidade de vida. Cada item dessa lista se encaixa como um quebra-cabeça. Respeitar as limitações, adequando modalidades e objetivos pessoais são imprescindíveis, além do acompanhamento e atenção na execução dos movimentos. É importante estimular sempre o desenvolvimento da potencialidade individual.

O Esportes Sem Limites – Projeto em execução na OSDM até Dezembro de 2022 – atende diretamente 120 crianças e jovens beneficiários da Obra Social, além de, indiretamente, suas famílias. Com o apoio da Aché, Engie e Sul América, através do incentivo fiscal do Programa Pronas PcD (Ministério da Saúde), o Projeto tem como objetivo promover – por meio de atividades paradesportivas e terapêuticas – a habilitação, a reabilitação e a inclusão social de crianças e adolescentes com deficiência, em contexto multidisciplinar, visando a inclusão social, o desenvolvimento psicomotor, cognitivo e a melhoria da qualidade de vida.

Ao todo, são 13 profissionais, dentre os 72 na grade atual geral da OSDM. A Equipe conta com 4 esportes, sendo eles: Capoeira, Dança, Desporto e Natação. E 4 Terapias: Fisioterapia Motora, Pedagogia, Psicologia e Psicomotricidade; além de Serviço Social e Atividades de Apoio.

São vários os aspectos positivos. O esporte melhora a condição cardiovascular dos pequenos, aprimora a força, a agilidade, a coordenação motora, o equilíbrio e o repertório motor. No aspecto social, proporciona a oportunidade de sociabilização entre crianças com e sem deficiências, além de torná-las mais independentes no seu dia a dia. E, no aspecto psicológico, a atividade esportiva melhora a autoconfiança e a autoestima, tornando-as mais otimistas e seguras para alcançarem seus objetivos.

O evento foi um respiro de total inclusão e união, quando, depois de tanto tempo isolados (com atendimentos individuais, dentro das salas e/ou virtuais), vimos crianças, responsáveis e terapeutas participando de forma segura, alegre e integrada. Foi um momento de liberdade! Ver o brilho nos olhos de cada Participante, em cada conquista, ao receber a medalha, dizendo-nos: “Eu consegui!”. Isto nos torna cada vez mais felizes e certos do caminho que escolhemos seguir!

Hora do Lanche na Casa Lar Balthazar

Na Casa Lar Balthazar, são atendidas crianças de 0 a 06 anos de idade, totalizando 20 vagas. 

O público atendido pela Instituição é caracterizado por crianças – oriundas de famílias de baixa renda ou que apresentem algum histórico de maus-tratos, abandono, negligência ou outro motivo que justifique o acolhimento – encaminhadas pela Vara da Infância e Conselho Tutelar, em regime de urgência.

Além delas, suas famílias também são assistidas por nossa equipe de profissionais, que fornece informações, atende casos de responsáveis que necessitem de apoio psicológico e outras orientações.

O caráter “residencial” desta Instituição contribui para a participação e a inserção das crianças na comunidade, incentivando a preservação dos vínculos familiares ou promovendo a inserção em família substituta.

As crianças acolhidas na Casa Lar Balthazar recebem atendimento na Sede da Obra Social Dona Meca, através de atividades terapêuticas, sociopedagógicas, esportivas e de inclusão social, que possuem, como objetivo, promover o desenvolvimento de suas habilidades e sua maior independência – resgatando sua autoestima, cidadania, interação social e contribuindo para uma melhor qualidade de vida.

Em relação à rotina das crianças, os horários das atividades são elaborados pela Equipe Técnica e Equipe de Cuidadores, levando em consideração a observação e experiência destes profissionais.

Vale ressaltar que os horários e dias das terapias realizadas na OSDM são programados de acordo com a demanda da Instituição de acolhimento, considerando a logística da Casa e se a criança está frequentando a unidade escolar ou não. 

E, por último, destacamos: as atividades pedagógicas contidas no dia-a-dia das crianças visam o reforço no aprendizado e a realização de atividades que contribuam para seu desenvolvimento físico, motor, emocional, cognitivo e social. 

Tais ações têm como foco o direito da criança ao seu pleno desenvolvimento integral.

Texto escrito por: Jéssica da S. Souza – Assistente Social  | OSDM – Casa Lar Balthazar

Faça uma Festa Beneficente!

O conceito pode até ser novo para algumas pessoas, mas o gesto, nem tanto. Você, provavelmente, já deve ter sido chamado para alguma festa onde os celebrantes pedem que, ao invés de presenteá-los, os convidados levem: uma lata de leite, um pacote de fraldas ou outro item (do qual a Instituição em ele confia possa estar necessitando).

De fato, esta é uma belíssima ação e contribui · e muito! · com Instituições que, assim como a OSDM, desenvolvem seu trabalho de forma beneficente, sem visar o lucro. Pensando nisso, há mais de 3 anos, surgiu uma Plataforma visando contribuir e facilitar estas iniciativas.

Dentro da Presente Consciente, você pode criar a sua festa (e gerar um link único, através do qual você convida seus amigos e familiares a participarem da mesma).

Ao invés de darem presentes, os convidados doam valores para a Instituição previamente escolhida, tudo de forma bem simples e direta. Além disso, os convidados, ao contribuírem com o evento, ganham um merecido agradecimento e a possibilidade de envio de um cartão virtual, demonstrando seu carinho e apreço a você, aniversariante.

O anfitrião e a Instituição escolhida acompanham toda a movimentação e, por meio de um Relatório Final, o primeiro é informado sobre quanto foi gerado em doação e de que forma.

“Qualquer evento é uma oportunidade de fazer o bem: aniversários, casamentos, bodas, batizados, Natal, Dia das Mães e, é claro, festinhas infantis! Seu filho pode, inclusive, ajudar na escolha da Obra Social Dona Meca. Porque não há idade para fazer uma boa ação!”

Texto escrito por Leonardo Rocha- Membro do setor de sustentabilidade da  Obra Social Dona Meca – contato: l.rocha@osdm.org.br

 

 

Os Benefícios dos Desportos para Crianças com Deficiência

A nomenclatura “desporto”, que tem como sinônimo a palavra “esporte”, relaciona-se a qualquer exercício físico que tenha federações e regras oficiais que o regem. Entretanto, o desporto não é somente aquele praticado por atletas profissionais, inscritos nas respectivas federações e seguindo as regras oficiais. Ele também pode ter suas regras adaptadas, passando a ser uma atividade lúdica, para fins de diversão, confraternização e/ou disputa não oficial, seja ele jogado de forma individual ou coletiva.

Pensando na possibilidade de todos praticarem esportes e sabendo da importância que os mesmos possuem (não só à saúde, mas também em aspectos sociais, cognitivos e motores do ser humano), em 1944, o médico alemão Ludwig Guttmann criou adaptações em alguns esportes, visando a recuperação dos soldados que retornavam com lesões (principalmente medulares), da II Guerra Mundial. Guttmann tinha como objetivo não só dar a esses soldados possibilidades de realização de exercícios físicos, mas, também, de ressocialização, independência e que se sentissem ativos novamente.

Com esta visão (reintegrar tais soldados, de alguma forma, à sociedade), o médico alemão foi considerado o pai dos paradesportos e influenciou ativamente a criação dos jogos paraolímpicos, de outras competições, além de eventos voltados para as pessoas com deficiência. Assim, mostrou ao mundo que o esporte pode ser praticado por qualquer pessoa e salientou a importância do mesmo para o indivíduo que possui alguma deficiência, pois, através dele, o “sujeito” entende o respeito às regras, socializa, tem contato com a euforia da vitória ou aprende a lidar com a frustração da derrota. Tudo isso demonstra que o exercício físico em si trata-se de mais um quesito, quando falamos sobre esportes adaptados.

Desta maneira, o desporto pode ser considerado um transformador de vivências e sua prática vai além do desenvolvimento motor, melhorando a qualidade de vida de seu praticante e, nos casos em que o praticante possui alguma deficiência, seja ela qual for, serve ainda como meio de reabilitação (social, cognitiva ou motora), agindo como uma das formas de inserir esse indivíduo à sua comunidade.

Podemos ver a importância dessa prática na OSDM, pois tal atividade permite às nossas crianças a possibilidade de praticarem não apenas um exercício físico, mas também o treinamento de todos os aspectos já citados. Além disso, possibilita aos mesmos que conheçam e executem novos movimentos, atividades, jogos e brincadeiras (que podem ser realizados em qualquer lugar e com outras pessoas, levando estas dinâmicas para os seus meios e, assim, usufruindo delas como formas de diversão, socialização, além, claro, da prática do próprio esporte em si).

Texto escrito por Adriano Lopes – Professor de Desporto da Obra Social Dona Meca – Contato: a.lopes@osdm.org.br.

 

 

Semana de Orientação da Psicomotricidade

No mês de Abril, tivemos a Semana de Orientação do Setor de Psicomotricidade. Devido à pandemia, a ação sofreu adaptações para adequá-la de acordo com os protocolos de segurança.

O trabalho de orientação apresenta estratégias e ferramentas para direcionar o comportamento das crianças a favor da relação saudável entre pais e filhos, com o olhar para a construção do desenvolvimento da criança – tanto a curto como a longo prazo.

Através de uma plataforma online, foram realizados dois encontros em data e turno diferentes, para que os responsáveis pudessem se organizar e escolher o melhor dia para participar. 

O tema escolhido para este ano buscou mostrar às famílias a importância de estimularem seus filhos desde os primeiros meses de vida, e as consequências quando isso não ocorre.

“Psicomotricidade e o que acontece quando não é desenvolvida de maneira eficaz”, foi um ótimo tema para esclarecer qual o papel desta ciência, em quais áreas ela atua, as consequências (quando tais áreas são pouco estimuladas na infância) e qual o seu papel no processo de aprendizagem.

As diretrizes foram esclarecedoras e cheias de conhecimentos. As famílias participaram tirando suas dúvidas, compartilhando experiências e participando das dinâmicas propostas pela Terapeuta.

Texto escrito por Thayanna Hoffmann – Psicomotricista da  Obra Social Dona Meca – contato: t.hoffmann@osdm.org.br

 

 

 

Formatura do Lucas Lino

Lucas Lino de Holanda poderia ter o sobrenome trocado para Lucas Lindo. Pois seu sorriso contagiante, seu bom humor e seu jeito carinhoso inundaram os corredores da Obra Social Dona Meca por muitos e muitos anos.

Iniciou seu atendimento no ano de 1998, quando ainda era um bebê. Por aqui, passou por quase todas as terapias, projetos esportivos e culturais que a OSDM ofereceu.

Lucas era trazido por sua grande heroína (como ele mesmo diz) e protagonista de sua história… Seu grande exemplo de vida, a pessoa mais batalhadora que ele conhece, que nunca fugiu à luta e sempre buscou superar as dificuldades que encontrava no caminho: sua avó Miriam. Uma pessoa que jamais poderíamos deixar de citar neste texto em homenagem ao querido Lucas.

Ele esteve conosco até completar 18 anos, a data limite para os atendidos na Obra Social Dona Meca.

Por todo este tempo, tivemos o privilégio de acompanhar e fazer parte de sua trajetória de vida. Assim, vimos um bebê se tornar um menino, o menino se tornar um rapaz e, hoje, o rapaz que se tornou um grande homem.

Para nossa alegria, terminou sua faculdade de Administração, em Dezembro de 2020.

E se, aqui, estamos falando dele – e consequentemente da Miriam! – é porque queremos que as nossas crianças e suas famílias compartilhem desse exemplo e que possam realizar muitos dos seus sonhos.

A limitação que não as deixam seguir adiante não é física ou intelectual. Mas, sim, formada por obstáculos como os impostos pela nossa sociedade – que, em sua maioria, ainda não enxerga a pessoa com deficiência com condições de avançar em seus estudos e trabalhos, formar sua própria família e, assim, conquistar cada vez mais autonomia.

Texto escrito por Tânia de Oliveira – Pedagoga da Obra Social Dona Meca – contato: t.oliveira@osdm.org.br

 

 

Volta às aulas

Ano letivo iniciando… papais e mamães estão extremamente preocupados sobre como será a volta às aulas.

No dia 29 de Janeiro, a Pedagogia da OSDM realizou uma reunião online com os responsáveis das crianças. Este encontro teve como objetivo conversar sobre o retorno às aulas presenciais e tirar dúvidas dos mesmos.

Dividimos um pouco das informações difundidas pelos pais no âmbito da educação e saúde. Porém, o foco da conversa foi: como nos prepararmos para este “tão famoso novo normal”.

Como citado numa frase, a qual desconheço autoria: “estamos todos na mesma tempestade, mas em barcos diferentes”. Por isso, o ideal, neste momento, é termos a consciência de que, como cidadãos, temos que seguir os protocolos sanitários determinados pelas entidades responsáveis e, ainda, cobrá-los, para que fiscalizem e que cumpram-se dentro de cada escola.

Ao longo deste tempo de pandemia, vimos as pessoas cobrando-se sobre posturas corretas de prevenção. Mas poucas autoavaliaram-se para compreenderem qual o seu papel neste tempo tão diferente.

Só retornarão as escolas que se capacitarem para oferecer todos os protocolos sanitários impostos ao bom funcionamento das mesmas. Serão oferecidas duas modalidades: presencial e remota.

Diante de tantas incertezas, duas situações ficam muito claras: precisamos preparar as crianças com relação aos novos hábitos – tentando fazer com que estes sejam aprendidos e habituados dentro de casa, de forma lúdica e gradativa. E, segundo: para aqueles que não se sentirem confortáveis junto à volta presencial, as aulas remotas continuarão.

Precisamos acalmar nossos corações e deixar com que a razão observe tudo que está sendo dito, com a clareza e transparência necessárias para tomada de decisão, que por fim, será de cada família e sua realidade.

Texto escrito por Tânia de Oliveira – Pedagoga da Obra Social Dona Meca – contato: t.oliveira@osdm.org.br

 

 

 

Por uma cultura de saúde mental

As campanhas que associam cores aos meses têm feito grande sucesso ao engajar pessoas em torno de temas relacionados à saúde e que merecem a nossa atenção. O Outubro Rosa, por exemplo, conscientiza sobre a importância do combate ao câncer de mama, enquanto o Junho Vermelho incentiva a doação de sangue. Nesse sentido, o Janeiro Branco ganhou ainda mais força em 2021.

Com a virada do ano, é comum que as pessoas estabeleçam metas e objetivos para alcançar seus sonhos ou, de uma forma mais geral, melhorar sua qualidade de vida. Não é à toa que as empresas têm investido cada vez mais esforços para trazer esse debate ao ambiente de trabalho.

A campanha “Janeiro Branco”

O Janeiro Branco é uma campanha que convida as pessoas a refletirem sobre a saúde mental. O objetivo é colocar esse tema em evidência, promovendo a conscientização sobre a importância da prevenção ao adoecimento emocional — algo que gera impactos preocupantes em nossa sociedade.

Uma humanidade mais saudável pressupõe uma cultura da Saúde Mental no mundo!

Texto escrito por Leonardo Rocha – Membro do Setor de Sustentabilidade da Obra Social Dona Meca – contato: l.rocha@osdm.org.br

 

2020: Um ano muito especial

Estamos chegando ao final de 2020. Ano que nenhum de nós esquecerá. A maior pandemia da Terra trouxe junto as incertezas, medo, insegurança, tristezas, solidão, perdas afetivas, materiais e, para muitos, foram momentos difíceis e inimagináveis.

Nós, da Obra Social Dona Meca, vivemos essa fase e esses sentimentos junto com vocês, nossas crianças e suas famílias. No decorrer deste turbilhão, nos firmamos em unidade, com a única decisão de “abrir nossos corações” e focar o pensamento em fazer o bem e ajudar quem fosse possível e estivesse ao nosso alcance.

Foi com esta comoção de pertencimento e união que iniciamos uma nova jornada de trabalho e tarefas em nossa querida Instituição.

A OSDM foi um importante ponto de apoio para a comunidade e mais de 10 Instituições do entorno. A partir de sua credibilidade e infraestrutura, a mesma disponibilizou-se para receber doações de cestas básicas (além de kits de limpeza, higiene pessoal, hortifruti, máscaras, dentre outros itens) para, então, suprir suas necessidades (Sede e 2 Unidades de Acolhimento – Abrigos) e, ainda, distribuí-las às famílias atendidas pela Instituição, à comunidade (nas redondezas da Obra Social) e encaminhá-las a Instituições afins – todos em extrema vulnerabilidade no período de pandemia.

A distribuição de cestas básicas não se trata de ação participante do escopo inicial da Instituição, mas a mesma entendeu que sua inserção significava compromisso ético/moral com a sociedade e mudança de rota devido ao cenário emergencial.

Foram meses de trabalho intenso, alegrias e contentamento ao conseguirmos ajudar cada um que nos procurou para auxílio. Não fechamos as portas em nenhum dia dessa fase e, assim, pudemos sentir a presença de Deus refrigerando os corações sofridos e nos alegrando no propósito de servir. Todos os colaboradores e terapeutas da OSDM envolveram-se e colocaram suas “mãos à obra”, ajudando, desde o descarregamento dos caminhões, até o planejamento de entrega às famílias beneficiadas e comunidade.

Grandes foram as lições ao longo deste período. Desde a resignação em “aceitarmos a batalha árdua”, passando pela empatia em nos colocarmos no lugar das pessoas necessitadas e chegando na alegria, ao vermos tantos sorrisos proporcionados.

Nossa imensa gratidão aos guerreiros e corajosos funcionários, amigos, empresas, voluntários, grupos/coletivos e Instituições que, incansáveis, promoveram a solidariedade e a fraternidade.

Desejamos que o Natal que se aproxima possa trazer fartura aos nossos corações, revigorando, ainda mais, a caridade, esperança, empatia e o amor entre as pessoas.

Rogamos que o próspero ano de 2021 seja renovado com o olhar de “enxergar o próximo como a nós mesmos”, com a fé de que toda a dificuldade passará e que todas as sementes dos nossos sonhos cresçam e floresçam.

Que Jesus abençoe os lares de todos nós, Irmãos!

Texto escrito por Rosângela Chacon – Presidente da Obra Social Dona Meca

 

Com a palavra: Nossos Pequenos!

A opinião das nossas crianças sobre a Pandemia (Covid – 19)

 

 

 

 

Luann Rodrigues Portella – 11 anos

Luann não quis falar sobre a pandemia. Disse que esse momento “diferente” não atrapalhou suas atividades e que está feliz porque “gosta de usar máscaras”, além de usar álcool em gel, quando está na rua.



 

 

 

Anna Sophia – 9 anos

Acha que “tem horas que é legal e tem horas que é chato”. “Tem muitas tarefas e ainda gravar vídeos”. Ressalta as dicas: “se cuida, lava as mãos com água e sabão, use álcool em gel e mantenha o distanciamento”.



 

 

 

Riquelme Barros – 11 anos

Disse que “tem um pouco de medo”, por causa do aumento de número de casos, e que “temos que nos cuidar usando máscaras” (mas, adverte: “usar corretamente, não é no queixo!”) e álcool em gel “para não pegar coronavírus”.

 

 

 

 

Giullia Saeta – 8 anos

Está achando ruim essa pandemia, porque “só fica em casa e não está podendo sair com o papai, não pode ir no parquinho, está com saudades da escola”. Quando tudo isso acabar, ela quer visitar suas avós e bisa! E deixa a mensagem: “Se cuidem, pra dar tchau pro corona mais rápido!”