Semana de Orientação de Fisioterapia

No dia 18 de Agosto de 2021, foi realizada a Semana de Orientação de Fisioterapia, aos responsáveis atendidos pela Obra Social Dona Meca. Devido ao atual quadro pandêmico, fez-se necessário seguir todos os protocolos de segurança. Sendo assim, o encontro ocorreu através da plataforma online, em dois turnos (manhã e tarde), abrangendo os profissionais das Fisioterapias: neurofuncional infantil, respiratória e aquática.

Neste ano, o tema abordado foi “Pais e Fisioterapeutas juntos = Melhores resultados” – escolhido pela Equipe Fisioterapêutica, que utilizou, como critério, um conteúdo que englobasse todos os responsáveis atendidos presencialmente na Instituição e os que são acompanhados pelos tele-atendimentos (por conta da Covid-19). A temática em questão visa reforçar a integração entre terapeutas e responsáveis diretamente no tratamento da criança/adolescente.

Dentre os assuntos citados durante o encontro, destacaram-se: “Os Benefícios dos Posicionamentos Posturais no Ambiente Domiciliar” e “A Estimulação Motora e como os Cuidadores devem Realizar as Atividades Propostas pela Equipe de Forma Adequada”. Além das orientações já mencionadas, também foi ressaltado que todo tratamento deve ser executado através da singularidade de cada pessoa, deixando claro que uma patologia pode apresentar manifestações distintas, tornando sempre necessária uma abordagem individualizada e sem comparações ao desenvolvimento motor ou cognitivo de outra criança/adolescente.

Tais informações abriram um debate esclarecedor, com troca de experiências entre os responsáveis – que relataram, brevemente, a respeito dos pacientes.

O encontro ocorreu de maneira proveitosa, proporcionando o esclarecimento de dúvidas e a possibilidade de observação dos fisioterapeutas a respeito de “como é praticada a intervenção no cotidiano”, trazendo, assim, mais auxílio aos responsáveis acompanhados pelo tele-atendimento. Por fim, a Equipe Fisioterapêutica ficou muito satisfeita com a adesão dos responsáveis durante o encontro virtual, disponibilizando-se para o esclarecimento de quaisquer questões relacionadas ao Setor, e concluiu a orientação enfatizando os avanços que podem ser obtidos com responsáveis e terapeutas trabalhando juntos.

Texto escrito por: Pablo Castro Rosa – Fisioterapia Aquática na Obra Social Dona Meca – p.rosa@osdm.org.br

Parcerias que agregam valor

É cada vez mais comum, nos dias de hoje, nos depararmos com empresas que estão envolvidas em algum tipo de causa social e revertem parte de seus lucros – ou produtos, equipe, habilidades, dentre outros – para impulsionarem e/ou financiarem Projetos que tragam benefícios à sociedade.

A OSDM tem orgulho de ter por perto parceiros tão queridos em sua caminhada, como a Gráfica Trena, responsável pela produção do nosso “Comunicação Eficiente”: “Produzimos o jornal de forma gratuita há anos para a OSDM, e a nossa intenção é exclusivamente ajudá-los a divulgar e propagar o objetivo da OSDM nesse veículo tão importante. O maior benefício que podemos ter, é perceber que a OSDM continua viva até hoje, e que de certa forma, fazemos parte dessa luta.”, disse Patrícia Gargano, gerente administrativa e de produção da Gráfica.

Já a Rentokil Initial, outra parceira desta Obra Social, acredita que ser socialmente responsável é melhorar a vida das pessoas: “No cerne da abordagem empresarial da Rentokil Initial está em fazer o que é certo para proteger as pessoas e melhorar vidas, e os nossos valores são a base que sustentam a companhia.”, diz Rafael Corrêa, Analista de Marketing da Rentokil.

Sentir-se “realizando o bem” é extremamente benéfico e faz com que continuemos a querer ver, cada vez mais, jovens e crianças felizes por terem acesso à habilitação, reabilitação, acolhida e, claro, uma vida melhor!

Importante: Veja os Parceiros OSDM, na Faixa de Logos (Pág 04), divididos por Categorias: Instituições que ajudam em Campanhas e Estratégias de Ações Desenvolvidas; Empresas que doam materiais, produtos, mão de obra e/ou conhecimento técnico; Empresas que contribuem financeiramente e/ou com cotas mensais. A todos eles, nossa gratidão.

Texto escrito por: Luiza Mattos – Comunicação e Marketing da Obra Social Dona Meca – l.mattos@osdm.org.br

Os Desafios no Processo de Adoção

A realidade dos abrigos que acolhem crianças e adolescentes em situação de risco psicossocial é bastante complexa, porque possui múltiplos discursos e diferentes vivências dos acolhidos – que se originam no passado e se entrelaçam com as construções existentes sobre o presente.

O desligamento da Instituição de Acolhimento se dá de duas formas principais: reintegração familiar ou adoção.

Na reintegração familiar, o/a acolhido/a retorna à sua família de origem (pai e/ou mãe) ou fica sob guarda de algum integrante da família extensa (tios, primos, avós, etc).
Já no caso da adoção, o/a acolhido/a passa a ter uma nova família, porque já foram esgotadas as possibilidades de reintegração familiar. O maior objetivo da adoção é que ela traga benefícios ao desenvolvimento integral das crianças e adolescentes adotados.

Adoção e seus mitos – primeiramente, trazemos pra vocês alguns mitos sobre o processo de adoção e suas particularidades:
“Não vou adotar porque não sei a índole da criança/adolescente.”
“Só quero bebê. porque é mais fácil.”

Como vimos, a adoção é cheia de mitos e suposições. A dica é: “Você deseja ser pai/mãe”? Porque as dificuldades na educação e criação dos filhos aparecerão, independentemente se biológicos ou adotivos. Ter o direito a um desligamento bem conduzido é algo que precisa se efetivar plenamente. Oferecer uma família destinada a dar conforto, afeto e, acima de tudo, amor … isto proporciona à criança uma base para o seu desenvolvimento. Contudo, é preciso ter em mente que a adoção não aparece como um meio de “resolver problemas sociais”, como abandono e a institucionalização, mas sim, como um direito de todo indivíduo a “ter uma expectativa de futuro em família, seja biológica ou adotiva”.

Na Casa Lar Dona Meca e Casa Lar Balthazar, compreende-se o período de integração entre as pessoas envolvidas no processo de adoção ou reintegração familiar, visando estabelecer bases sólidas para um relacionamento harmônico de caráter afetivo. Não é uma experiência qualquer e sim uma fase de criação e/ou fortalecimento de vínculo. O estágio de convivência é de vital importância, não só para o entrelaçamento entre as pessoas envolvidas, mas também para a exploração de todas as qualidades e virtudes recomendadas – por isso, trata-se do período propício para fazer brotar o afeto.

Texto escrito por: Jéssica Souza – Assistente Social | OSDM – Casa Lar Dona Meca

Faça uma Festa Beneficente!

O conceito pode até ser novo para algumas pessoas, mas o gesto, nem tanto. Você, provavelmente, já deve ter sido chamado para alguma festa onde os celebrantes pedem que, ao invés de presenteá-los, os convidados levem: uma lata de leite, um pacote de fraldas ou outro item (do qual a Instituição em ele confia possa estar necessitando).

De fato, esta é uma belíssima ação e contribui · e muito! · com Instituições que, assim como a OSDM, desenvolvem seu trabalho de forma beneficente, sem visar o lucro. Pensando nisso, há mais de 3 anos, surgiu uma Plataforma visando contribuir e facilitar estas iniciativas.

Dentro da Presente Consciente, você pode criar a sua festa (e gerar um link único, através do qual você convida seus amigos e familiares a participarem da mesma).

Ao invés de darem presentes, os convidados doam valores para a Instituição previamente escolhida, tudo de forma bem simples e direta. Além disso, os convidados, ao contribuírem com o evento, ganham um merecido agradecimento e a possibilidade de envio de um cartão virtual, demonstrando seu carinho e apreço a você, aniversariante.

O anfitrião e a Instituição escolhida acompanham toda a movimentação e, por meio de um Relatório Final, o primeiro é informado sobre quanto foi gerado em doação e de que forma.

“Qualquer evento é uma oportunidade de fazer o bem: aniversários, casamentos, bodas, batizados, Natal, Dia das Mães e, é claro, festinhas infantis! Seu filho pode, inclusive, ajudar na escolha da Obra Social Dona Meca. Porque não há idade para fazer uma boa ação!”

Texto escrito por Leonardo Rocha- Membro do setor de sustentabilidade da  Obra Social Dona Meca – contato: l.rocha@osdm.org.br

 

 

Os Benefícios dos Desportos para Crianças com Deficiência

A nomenclatura “desporto”, que tem como sinônimo a palavra “esporte”, relaciona-se a qualquer exercício físico que tenha federações e regras oficiais que o regem. Entretanto, o desporto não é somente aquele praticado por atletas profissionais, inscritos nas respectivas federações e seguindo as regras oficiais. Ele também pode ter suas regras adaptadas, passando a ser uma atividade lúdica, para fins de diversão, confraternização e/ou disputa não oficial, seja ele jogado de forma individual ou coletiva.

Pensando na possibilidade de todos praticarem esportes e sabendo da importância que os mesmos possuem (não só à saúde, mas também em aspectos sociais, cognitivos e motores do ser humano), em 1944, o médico alemão Ludwig Guttmann criou adaptações em alguns esportes, visando a recuperação dos soldados que retornavam com lesões (principalmente medulares), da II Guerra Mundial. Guttmann tinha como objetivo não só dar a esses soldados possibilidades de realização de exercícios físicos, mas, também, de ressocialização, independência e que se sentissem ativos novamente.

Com esta visão (reintegrar tais soldados, de alguma forma, à sociedade), o médico alemão foi considerado o pai dos paradesportos e influenciou ativamente a criação dos jogos paraolímpicos, de outras competições, além de eventos voltados para as pessoas com deficiência. Assim, mostrou ao mundo que o esporte pode ser praticado por qualquer pessoa e salientou a importância do mesmo para o indivíduo que possui alguma deficiência, pois, através dele, o “sujeito” entende o respeito às regras, socializa, tem contato com a euforia da vitória ou aprende a lidar com a frustração da derrota. Tudo isso demonstra que o exercício físico em si trata-se de mais um quesito, quando falamos sobre esportes adaptados.

Desta maneira, o desporto pode ser considerado um transformador de vivências e sua prática vai além do desenvolvimento motor, melhorando a qualidade de vida de seu praticante e, nos casos em que o praticante possui alguma deficiência, seja ela qual for, serve ainda como meio de reabilitação (social, cognitiva ou motora), agindo como uma das formas de inserir esse indivíduo à sua comunidade.

Podemos ver a importância dessa prática na OSDM, pois tal atividade permite às nossas crianças a possibilidade de praticarem não apenas um exercício físico, mas também o treinamento de todos os aspectos já citados. Além disso, possibilita aos mesmos que conheçam e executem novos movimentos, atividades, jogos e brincadeiras (que podem ser realizados em qualquer lugar e com outras pessoas, levando estas dinâmicas para os seus meios e, assim, usufruindo delas como formas de diversão, socialização, além, claro, da prática do próprio esporte em si).

Texto escrito por Adriano Lopes – Professor de Desporto da Obra Social Dona Meca – Contato: a.lopes@osdm.org.br.

 

 

Semana de Orientação da Psicomotricidade

No mês de Abril, tivemos a Semana de Orientação do Setor de Psicomotricidade. Devido à pandemia, a ação sofreu adaptações para adequá-la de acordo com os protocolos de segurança.

O trabalho de orientação apresenta estratégias e ferramentas para direcionar o comportamento das crianças a favor da relação saudável entre pais e filhos, com o olhar para a construção do desenvolvimento da criança – tanto a curto como a longo prazo.

Através de uma plataforma online, foram realizados dois encontros em data e turno diferentes, para que os responsáveis pudessem se organizar e escolher o melhor dia para participar. 

O tema escolhido para este ano buscou mostrar às famílias a importância de estimularem seus filhos desde os primeiros meses de vida, e as consequências quando isso não ocorre.

“Psicomotricidade e o que acontece quando não é desenvolvida de maneira eficaz”, foi um ótimo tema para esclarecer qual o papel desta ciência, em quais áreas ela atua, as consequências (quando tais áreas são pouco estimuladas na infância) e qual o seu papel no processo de aprendizagem.

As diretrizes foram esclarecedoras e cheias de conhecimentos. As famílias participaram tirando suas dúvidas, compartilhando experiências e participando das dinâmicas propostas pela Terapeuta.

Texto escrito por Thayanna Hoffmann – Psicomotricista da  Obra Social Dona Meca – contato: t.hoffmann@osdm.org.br

 

 

 

Os Benefícios da Dança para Crianças com Deficiência

A Dança acompanha o homem desde os tempos mais remotos – quando este imitava os animais para favorecer sua caça ou, até mesmo, invocava / agradecia as forças da natureza. Sendo a arte mais antiga que o homem experimentou, ela acompanha a evolução e transformação das civilizações.

Capaz de materializar os nossos sentimentos mais íntimos por meio dos movimentos, a dança permite que possamos nos expressar de maneira leve, completa e verdadeira. São infinitos os seus benefícios como a promoção de saúde, alívio do stress e tensão, desinibição, autoestima, fortalecimento muscular e muitos outros. Porém, a liberdade talvez seja a maior sensação a ser vivenciada.

Quando olhamos para as pessoas com deficiência, não existe nenhuma informação acima a ser desconsiderada ou modificada. A dança é resultado das experiências de toda nossa história, e isso inclui todos, sem exceção. A Dança adaptada e inclusiva busca atender a todos os corpos, onde é respeitada a individualidade de cada pessoa e, ao mesmo tempo, construímos um coletivo que pode se expressar através de seus corpos.

As crianças da OSDM vivenciam essa modalidade de maneira lúdica, abrangente e, acima de tudo, livre. Aqui, a dança é um instrumento de desenvolvimento, liberdade de expressão, aquisição e transformação de culturas, autoconhecimento e interação com o mundo!

Texto escrito por Bruno Araujo – Professor de Dança da OSDM – contato: b.antonio@osdm.org.br

 

 

OSDM na luta contra a Covid-19

No dia 19 de Março, através da doação de kits de testes de anticorpos IGG e IGM qualitativos, Sars-cov-2, feita pela Criticare Produtos Cirurgicos, a Obra Social Dona Meca conseguiu realizar a verificação para detecção da Covid-19 em todos os funcionários da Instituição (Sede e seus dois Abrigos – Casa Lar Dona Meca e Casa Lar Balthazar).

Um momento de crise é também uma oportunidade de união e colaboração dentre a família OSDM. Mais do que nunca, a solidariedade está fazendo a diferença no enfrentamento à pandemia. Com essa motivação, lideramos um amplo movimento para combater o coronavírus em parceria com empresas. E seguimos mobilizando recursos e empenhando esforços na luta contra o vírus.

Os esforços da OSDM para conter a expansão da Covid-19 continuam, e a manutenção das medidas preventivas é fundamental. Usar máscara de proteção, manter os cuidados básicos de higiene e evitar aglomerações, mesmo com a flexibilização do isolamento, são medidas imprescindíveis enquanto perdurar a pandemia.

Nossa Sede está funcionando nos dias úteis, em horário comercial, sendo respeitadas todas as recomendações de prevenção de riscos e propagação do novo coronavírus.

Os abrigos mantêm-se com cuidados multiplicados, Equipe alerta e nossos pequenos / jovens bem e protegidos!

Texto escrito por Leonardo Rocha – Membro do Setor de Sustentabilidade da Obra Social Dona Meca – contato: l.rocha@osdm.org.br

 

Funcionário OSDM fazendo teste PCR para detecção da Covid-19

Funcionária da OSDM fazendo o teste PCR para detecção da Covid-19

 

Bruno (professor de dança da OSDM) palestrando para os pais

“Coragem para Empreender” é Tema de Palestra na OSDM

Motivados a encontrar soluções em meio à crise, nossa palestra sobre A CORAGEM PARA EMPREENDER abordou, de maneira conceitual e prática, as possibilidades que cada indivíduo pode criar para se tornar dono do seu próprio destino.

Em um mundo onde a escassez de oportunidades e a desigualdade social se fazem cada vez mais presentes, a espera por soluções que venham “dos outros” pode ser muito prejudicial e impactar negativamente a vida de muitas famílias.

Todos nós temos talentos / expertise em algo que muitas pessoas precisam neste momento. Sendo assim, o desafio está em criar a coragem para gerar suas chances, conduzir seu sonho de maneira inteligente e encontrar tais pessoas que consomem sua entrega.

O medo de “não dar certo” é natural, porém, ele não pode ser determinante em suas ações. Discutimos diversas formas e possibilidades de empreender, levando em consideração os principais passos que precisam ser bem pensados e executados. Aprendemos com histórias de sucesso e indicamos instituições que apoiam essas iniciativas.

Gracie Kelly (mãe de uma criança atendida pela OSDM) nos contou sobre sua experiência com a palestra: “Eu como mãe e provedora do sustento da minha casa, fico feliz em poder ter participado da palestra. Foi de muito proveito! Acho que não só eu mas quem estava lá. Tivemos uma luz e, de certa forma, nos sentimos úteis e capazes de ajudar”.  

Nosso principal objetivo foi encorajar nossas famílias e oferecer o conhecimento necessário para tirar o sonho de empreender do papel e começar a escrever uma nova história.

Texto escrito por Bruno Araujo – Professor de Dança da OSDM – contato: b.antonio@osdm.org.br

 

Professor de Dança da OSDM (Bruno) palestrando

Slide da Palestra "A Coragem para Empreender"

 

Os Benefícios da Capoeira para Crianças com Deficiência

A Capoeira é uma atividade física genuinamente brasileira, catalisadora de aspectos psicomotores fundamentais para o desenvolvimento integral do indivíduo, rica em movimentos, musicalidade e dimensões artísticas.

Na Obra Social Dona Meca, esta atividade esportiva tem a função de ser um instrumento de transformação para as crianças e adolescentes, desenvolvendo o protagonismo necessário para adquirirem autonomia e uma maior qualidade de vida.

Emoção e alegria marcaram o início dos atendimentos no setor de Capoeira. Nossos pequenos tiveram os seus primeiros contatos com os movimentos e as sonoridades do esporte. Alguns pareciam já terem vivenciado parte desse “universo”. É como se os instrumentos fossem “peças” conhecidas deles. Outros divertem-se e os têm como: mais um brinquedo, despertando sorrisos e alegria a cada batucada.

Com as atividades desenvolvidas no setor de Capoeira, promovemos a inclusão social das crianças e adolescentes com deficiência, em contexto multidisciplinar, através dos movimentos, ritmos e cadências, com foco no desenvolvimento integral, ou seja, um desenvolvimento motor, cognitivo, social e cultural.

Texto escrito por: Alexandre David – Professor de Capoeira da Obra Social Dona Meca – a.davi@osdm.org.br