Formatura do Lucas Lino

Lucas Lino de Holanda poderia ter o sobrenome trocado para Lucas Lindo. Pois seu sorriso contagiante, seu bom humor e seu jeito carinhoso inundaram os corredores da Obra Social Dona Meca por muitos e muitos anos.

Iniciou seu atendimento no ano de 1998, quando ainda era um bebê. Por aqui, passou por quase todas as terapias, projetos esportivos e culturais que a OSDM ofereceu.

Lucas era trazido por sua grande heroína (como ele mesmo diz) e protagonista de sua história… Seu grande exemplo de vida, a pessoa mais batalhadora que ele conhece, que nunca fugiu à luta e sempre buscou superar as dificuldades que encontrava no caminho: sua avó Miriam. Uma pessoa que jamais poderíamos deixar de citar neste texto em homenagem ao querido Lucas.

Ele esteve conosco até completar 18 anos, a data limite para os atendidos na Obra Social Dona Meca.

Por todo este tempo, tivemos o privilégio de acompanhar e fazer parte de sua trajetória de vida. Assim, vimos um bebê se tornar um menino, o menino se tornar um rapaz e, hoje, o rapaz que se tornou um grande homem.

Para nossa alegria, terminou sua faculdade de Administração, em Dezembro de 2020.

E se, aqui, estamos falando dele – e consequentemente da Miriam! – é porque queremos que as nossas crianças e suas famílias compartilhem desse exemplo e que possam realizar muitos dos seus sonhos.

A limitação que não as deixam seguir adiante não é física ou intelectual. Mas, sim, formada por obstáculos como os impostos pela nossa sociedade – que, em sua maioria, ainda não enxerga a pessoa com deficiência com condições de avançar em seus estudos e trabalhos, formar sua própria família e, assim, conquistar cada vez mais autonomia.

Texto escrito por Tânia de Oliveira – Pedagoga da Obra Social Dona Meca – contato: t.oliveira@osdm.org.br

 

 

Volta às aulas

Ano letivo iniciando… papais e mamães estão extremamente preocupados sobre como será a volta às aulas.

No dia 29 de Janeiro, a Pedagogia da OSDM realizou uma reunião online com os responsáveis das crianças. Este encontro teve como objetivo conversar sobre o retorno às aulas presenciais e tirar dúvidas dos mesmos.

Dividimos um pouco das informações difundidas pelos pais no âmbito da educação e saúde. Porém, o foco da conversa foi: como nos prepararmos para este “tão famoso novo normal”.

Como citado numa frase, a qual desconheço autoria: “estamos todos na mesma tempestade, mas em barcos diferentes”. Por isso, o ideal, neste momento, é termos a consciência de que, como cidadãos, temos que seguir os protocolos sanitários determinados pelas entidades responsáveis e, ainda, cobrá-los, para que fiscalizem e que cumpram-se dentro de cada escola.

Ao longo deste tempo de pandemia, vimos as pessoas cobrando-se sobre posturas corretas de prevenção. Mas poucas autoavaliaram-se para compreenderem qual o seu papel neste tempo tão diferente.

Só retornarão as escolas que se capacitarem para oferecer todos os protocolos sanitários impostos ao bom funcionamento das mesmas. Serão oferecidas duas modalidades: presencial e remota.

Diante de tantas incertezas, duas situações ficam muito claras: precisamos preparar as crianças com relação aos novos hábitos – tentando fazer com que estes sejam aprendidos e habituados dentro de casa, de forma lúdica e gradativa. E, segundo: para aqueles que não se sentirem confortáveis junto à volta presencial, as aulas remotas continuarão.

Precisamos acalmar nossos corações e deixar com que a razão observe tudo que está sendo dito, com a clareza e transparência necessárias para tomada de decisão, que por fim, será de cada família e sua realidade.

Texto escrito por Tânia de Oliveira – Pedagoga da Obra Social Dona Meca – contato: t.oliveira@osdm.org.br

 

 

 

Por uma cultura de saúde mental

As campanhas que associam cores aos meses têm feito grande sucesso ao engajar pessoas em torno de temas relacionados à saúde e que merecem a nossa atenção. O Outubro Rosa, por exemplo, conscientiza sobre a importância do combate ao câncer de mama, enquanto o Junho Vermelho incentiva a doação de sangue. Nesse sentido, o Janeiro Branco ganhou ainda mais força em 2021.

Com a virada do ano, é comum que as pessoas estabeleçam metas e objetivos para alcançar seus sonhos ou, de uma forma mais geral, melhorar sua qualidade de vida. Não é à toa que as empresas têm investido cada vez mais esforços para trazer esse debate ao ambiente de trabalho.

A campanha “Janeiro Branco”

O Janeiro Branco é uma campanha que convida as pessoas a refletirem sobre a saúde mental. O objetivo é colocar esse tema em evidência, promovendo a conscientização sobre a importância da prevenção ao adoecimento emocional — algo que gera impactos preocupantes em nossa sociedade.

Uma humanidade mais saudável pressupõe uma cultura da Saúde Mental no mundo!

Texto escrito por Leonardo Rocha – Membro do Setor de Sustentabilidade da Obra Social Dona Meca – contato: l.rocha@osdm.org.br

 

2020: Um ano muito especial

Estamos chegando ao final de 2020. Ano que nenhum de nós esquecerá. A maior pandemia da Terra trouxe junto as incertezas, medo, insegurança, tristezas, solidão, perdas afetivas, materiais e, para muitos, foram momentos difíceis e inimagináveis.

Nós, da Obra Social Dona Meca, vivemos essa fase e esses sentimentos junto com vocês, nossas crianças e suas famílias. No decorrer deste turbilhão, nos firmamos em unidade, com a única decisão de “abrir nossos corações” e focar o pensamento em fazer o bem e ajudar quem fosse possível e estivesse ao nosso alcance.

Foi com esta comoção de pertencimento e união que iniciamos uma nova jornada de trabalho e tarefas em nossa querida Instituição.

A OSDM foi um importante ponto de apoio para a comunidade e mais de 10 Instituições do entorno. A partir de sua credibilidade e infraestrutura, a mesma disponibilizou-se para receber doações de cestas básicas (além de kits de limpeza, higiene pessoal, hortifruti, máscaras, dentre outros itens) para, então, suprir suas necessidades (Sede e 2 Unidades de Acolhimento – Abrigos) e, ainda, distribuí-las às famílias atendidas pela Instituição, à comunidade (nas redondezas da Obra Social) e encaminhá-las a Instituições afins – todos em extrema vulnerabilidade no período de pandemia.

A distribuição de cestas básicas não se trata de ação participante do escopo inicial da Instituição, mas a mesma entendeu que sua inserção significava compromisso ético/moral com a sociedade e mudança de rota devido ao cenário emergencial.

Foram meses de trabalho intenso, alegrias e contentamento ao conseguirmos ajudar cada um que nos procurou para auxílio. Não fechamos as portas em nenhum dia dessa fase e, assim, pudemos sentir a presença de Deus refrigerando os corações sofridos e nos alegrando no propósito de servir. Todos os colaboradores e terapeutas da OSDM envolveram-se e colocaram suas “mãos à obra”, ajudando, desde o descarregamento dos caminhões, até o planejamento de entrega às famílias beneficiadas e comunidade.

Grandes foram as lições ao longo deste período. Desde a resignação em “aceitarmos a batalha árdua”, passando pela empatia em nos colocarmos no lugar das pessoas necessitadas e chegando na alegria, ao vermos tantos sorrisos proporcionados.

Nossa imensa gratidão aos guerreiros e corajosos funcionários, amigos, empresas, voluntários, grupos/coletivos e Instituições que, incansáveis, promoveram a solidariedade e a fraternidade.

Desejamos que o Natal que se aproxima possa trazer fartura aos nossos corações, revigorando, ainda mais, a caridade, esperança, empatia e o amor entre as pessoas.

Rogamos que o próspero ano de 2021 seja renovado com o olhar de “enxergar o próximo como a nós mesmos”, com a fé de que toda a dificuldade passará e que todas as sementes dos nossos sonhos cresçam e floresçam.

Que Jesus abençoe os lares de todos nós, Irmãos!

Texto escrito por Rosângela Chacon – Presidente da Obra Social Dona Meca

 

Com a palavra: Nossos Pequenos!

A opinião das nossas crianças sobre a Pandemia (Covid – 19)

 

 

 

 

Luann Rodrigues Portella – 11 anos

Luann não quis falar sobre a pandemia. Disse que esse momento “diferente” não atrapalhou suas atividades e que está feliz porque “gosta de usar máscaras”, além de usar álcool em gel, quando está na rua.



 

 

 

Anna Sophia – 9 anos

Acha que “tem horas que é legal e tem horas que é chato”. “Tem muitas tarefas e ainda gravar vídeos”. Ressalta as dicas: “se cuida, lava as mãos com água e sabão, use álcool em gel e mantenha o distanciamento”.



 

 

 

Riquelme Barros – 11 anos

Disse que “tem um pouco de medo”, por causa do aumento de número de casos, e que “temos que nos cuidar usando máscaras” (mas, adverte: “usar corretamente, não é no queixo!”) e álcool em gel “para não pegar coronavírus”.

 

 

 

 

Giullia Saeta – 8 anos

Está achando ruim essa pandemia, porque “só fica em casa e não está podendo sair com o papai, não pode ir no parquinho, está com saudades da escola”. Quando tudo isso acabar, ela quer visitar suas avós e bisa! E deixa a mensagem: “Se cuidem, pra dar tchau pro corona mais rápido!”



Roda de Conversa no Ambiente de Trabalho

No mês de Julho, o Setor de Psicologia realizou uma ação, que faz parte do plano emergencial elaborado em razão da pandemia de Covid-19.

Reuniu-se a equipe da Instituição, com o intuito de promover um momento com espaços de escuta, cuidados coletivos e compartilhamento de materiais voltados aos demais profissionais, no sentido de observação, acompanhamento e discussão dos sentimentos e da experiência vivida em meio às mudanças na rotina profissional – que podem causar sofrimento e impactar as funções desempenhadas.

Desde o início da pandemia, o mundo inteiro vem sofrendo alterações em diversos aspectos e temos que conviver com várias emoções que, por vezes, nos abatem. Ainda estamos aprendendo a viver diante desta situação. São muitos desafios e, no ambiente de trabalho, não é diferente – seja pelos cuidados de prevenção da transmissão, por adaptações pertinentes à rotina, preocupação com os entes queridos (que ficam em casa), incertezas que envolvem a doença e, em somatória, a condição econômica do Brasil.

O objetivo desta reunião foi: percebermos que não estamos sozinhos e que – juntos em coração! – podemos passar por tudo isso. Ainda não sabemos quanto tempo isto irá durar, contudo, é hora de ter esperança e acreditar que dias melhores logo chegarão!

Esta ação teve como mediadoras as psicólogas da OSDM: Marcela Almeida e Nívea D’Alincourt.

Texto escrito por Nívea D’Alincourt – Psicóloga da Obra Social Dona Meca – contato: n.dalincourt@donameca.org.br

 

 

Fisioterapia Motora na Casa Lar Dona Meca

A Fisioterapia Motora trata, habilita ou recupera a saúde de pacientes com disfunções físicas, mentais, de desenvolvimento, dentre outras; através de técnicas de estimulação sensorial, fortalecimento muscular e movimentos funcionais.

Esta “ciência” está presente na Obra Social Dona Meca (Sede, Casa Lar Dona Meca e Casa Lar Balthazar) desde sua inauguração e busca fazer a diferença no prognóstico dos pequenos e jovens atendidos.

Terapia crucial na OSDM, tem como objetivo avaliar e tratar os déficits motores provenientes de doenças neurológicas e/ou danos cerebrais, prevenir limitações por deformidades e encurtamentos, além de facilitar o desenvolvimento motor – do nível básico ao mais complexo – nas crianças e adolescentes com deficiência beneficiárias desta Obra Social. E ainda, estimular o desenvolvimento das funções motoras básicas e habilitar ganhos motores mais complexos.

Além dos atendimentos, são feitas orientações aos cuidadores das Unidades de Acolhimento (sobre como realizar posturas adequadas, massoterapia e estimulação sensorial), bem como, os procedimentos que devem ser realizados para cada criança acolhida, de acordo com suas necessidades.

Quanto mais precoce for a intervenção fisioterápica, mais eficazes e maiores serão as chances de prevenir e/ou minimizar os déficits.

Texto escrito por Sergio Venicio – Fisioterapeuta da Obra Social Dona Meca – contato: s.venicio@osdm.org.br

 

 

 

Mãos à Obra!

Desde o dia 16/03, a OSDM tem sido importante ponto de apoio para a comunidade e mais de 10 Instituições do entorno. A partir de sua credibilidade e infraestrutura, a mesma disponibilizou-se para receber doações de cestas básicas (além de kits de limpeza, higiene pessoal, hortifruti, máscaras, dentre outros itens) para, então, suprir suas necessidades (Sede e 2 Unidades de Acolhimento – Abrigos) e, ainda, distribuí-las às famílias atendidas pela Instituição, à comunidade (nas redondezas da Obra Social) e encaminhá-las a Instituições afins – todos em extrema vulnerabilidade no período atual.
A distribuição de cestas básicas não se trata de ação participante do escopo inicial da Instituição, mas a mesma entendeu que sua inserção significa compromisso ético/moral com a sociedade e mudança de rota devido ao cenário emergencial.

Até o momento, somamos mais de 3.149 cestas doadas pela atitude e sensibilidade de nossos Amigos e Parceiros, através de uma belíssima corrente do bem. Desta forma, tal ação permanece aplicada integralmente na realização de nossos objetivos sociais.

Todos os colaboradores e terapeutas da OSDM estão envolvidos e colocando suas «mãos à obra» ajudando, desde o descarregamento dos caminhões, até o planejamento de entrega às famílias beneficiadas e comunidade.

Nossos mais profundos agradecimentos a todos que fizeram estas ações possíveis:

Aos nossos Padrinhos, Madrinhas, Sócio-Colaboradores e Amigos (doadores pessoas físicas).
Movimento União Rio (Campanha RioContraCorona – Banco da Providência, Instituto Ekloos e Instituto PHI, unidos a: Boticário, Fundação Banco do Brasil, L’Oréal, Malwee, Natura, Nívea, Ovos Mantiqueira e SC Johnson.

Além das Empresas e Instituições parceiras:

Cofico; ETNA; FEBIEX; Furnas; Grupo Juntos; Hospicath; IRB – Brasil Resseguros S/A; Executivos da Mills; Pro Farma; ViaRio.

Nossa Sede está funcionando nos dias úteis, em horário comercial, sendo respeitadas todas as recomendações de prevenção de riscos e propagação do novo coronavírus.

Setor Terapêutico, Serviço Social e Unidades de Acolhimento seguem conforme descrito em Informativo de Maio.

Sobre os primeiros, persistência e criatividade em prol daqueles que são nossa meta:

os Setores reinventam-se em atividades on-line; atenção, orientações técnicas, carinho à distância e têm recebido lindos feedbacks de nossas famílias!

Os abrigos mantêm-se com cuidados multiplicados, Equipe alerta e nossos pequenos / jovens bem e protegidos!

 

 


Plantão da Psicologia Online

Neste período de quarentena, iniciamos o plantão da Psicologia online.

O objetivo desta ação é oferecer apoio emocional aos Responsáveis da OSDM que necessitem, visto que a pandemia e o isolamento social podem gerar sentimentos de medo, ansiedade e incertezas, dentre outros.

 

Plantão da Psicologia Online

Plantão da Psicologia Online