Volta às aulas

Ano letivo iniciando… papais e mamães estão extremamente preocupados sobre como será a volta às aulas.

No dia 29 de Janeiro, a Pedagogia da OSDM realizou uma reunião online com os responsáveis das crianças. Este encontro teve como objetivo conversar sobre o retorno às aulas presenciais e tirar dúvidas dos mesmos.

Dividimos um pouco das informações difundidas pelos pais no âmbito da educação e saúde. Porém, o foco da conversa foi: como nos prepararmos para este “tão famoso novo normal”.

Como citado numa frase, a qual desconheço autoria: “estamos todos na mesma tempestade, mas em barcos diferentes”. Por isso, o ideal, neste momento, é termos a consciência de que, como cidadãos, temos que seguir os protocolos sanitários determinados pelas entidades responsáveis e, ainda, cobrá-los, para que fiscalizem e que cumpram-se dentro de cada escola.

Ao longo deste tempo de pandemia, vimos as pessoas cobrando-se sobre posturas corretas de prevenção. Mas poucas autoavaliaram-se para compreenderem qual o seu papel neste tempo tão diferente.

Só retornarão as escolas que se capacitarem para oferecer todos os protocolos sanitários impostos ao bom funcionamento das mesmas. Serão oferecidas duas modalidades: presencial e remota.

Diante de tantas incertezas, duas situações ficam muito claras: precisamos preparar as crianças com relação aos novos hábitos – tentando fazer com que estes sejam aprendidos e habituados dentro de casa, de forma lúdica e gradativa. E, segundo: para aqueles que não se sentirem confortáveis junto à volta presencial, as aulas remotas continuarão.

Precisamos acalmar nossos corações e deixar com que a razão observe tudo que está sendo dito, com a clareza e transparência necessárias para tomada de decisão, que por fim, será de cada família e sua realidade.

Texto escrito por Tânia de Oliveira – Pedagoga da Obra Social Dona Meca – contato: t.oliveira@osdm.org.br

 

 

 

É brincando que se aprende

“Brincar não é perder tempo, é ganhá-lo. É triste ter meninos sem escola, mas mais triste é vê-los enfileirados em salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação humana”. (Carlos Drummond de Andrade)

Muito se fala sobre o lúdico como recurso pedagógico e terapêutico.
Lúdico é uma palavra de origem latina que usamos quando queremos falar de jogos e divertimento, o quê está relacionado ao ato de brincar. Incluo, na brincadeira, o ato de ler, contar histórias.

Chamamos, por atividades lúdicas, as atividades de entretenimento, ou seja, que dão prazer e divertem as pessoas envolvidas.
Brincar é importante para o desenvolvimento humano, tão verdade que é um ato natural!

A ação de brincar e de ler envolve o indivíduo e cria um clima de entusiasmo. Um aspecto emocional-mente importante, que funcionará como motivador, gerando um estado de vibração e euforia. Observamos que, por meio do lúdico (brincadeira e leitura), o individuo: forma conceitos seleciona idéias, estabelece relações lógicas, integra percepções, direciona suas energias, ultrapassa dificuldades, muda sua realidade, fantasia, compreende o mundo, desenvolve a linguagem, aprende a concentrar-se, a pensar, a criar estratégias, etc.

Um dos autores que embasam a pedagogia moderna é Jean Piaget, que pensou o lúdico da seguinte forma:
“O jogo não pode ser visto apenas como divertimento ou brincadeira para desgastar energia, pois ele favorece o desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo e moral. Através dele se processa a construção de conhecimento, principalmente nos períodos sensório-motor e pré-operatório. Agindo sobre os objetos, as crianças, desde pequenas, estruturam seu espaço e seu tempo, desen-volvendo a noção de casualidade, chegando à representação e, finalmente, à lógica. As crianças ficam mais motivadas para usar a inteligência, pois querem jogar bem, esforçam-se para superar obstáculos tanto cognitivos como emocionais.” Piaget (1967)

O lúdico é uma ponte que auxilia na melhoria dos resultados por parte dos educadores e terapeutas interessados em promover mudanças. Podemos ver isso no dia-a-dia dos nossos profissionais, onde as terapias buscam sempre trabalhar de forma lúdica, buscando, na verdade, um maior desenvolvimento uma comple-mentação de todas as atividades exercidas por nossas crianças e jovens.
Jogar não é passar o tempo para distrair o indivíduo. Estimula o crescimento e o desenvolvimento, a coordenação motora, as faculdades intelectuais, a iniciativa individual, favorece a progressão da palavra, impulsiona a observar e conhecer as pessoas e as coisas.

Brincar é natural e essencial para que o indivíduo manifeste sua criatividade, utilizando suas potencialidades de maneira integral descobrindo seu próprio Eu. A ludicidade é tão importante para a saúde mental do ser humano que merece atenção, pois é o espaço para expressão mais genuína do ser. É o espaço e o direito de todo o indivíduo para o exercício da relação afetiva com o mundo, com as pessoas e com os objetos.

*Texto escrito por Tânia Oliveira – Setor de Pedagogia

Leitura e Cidadania

Em Setembro, o setor de pedagogia da OSDM, com o apoio da Editora Paulus e da Capemisa Social, realizou a ação “Vivência e Cidadania – Cada história uma experiência”.

A editora Paulus doou dois kits, cada um com cinco livros: um kit infantil e outro infanto-juvenil. 

Observando que o público da OSDM é de crianças com as deficiências mais diversas, optou-se trabalhar com os responsáveis. Para que, através desta ação, pudéssemos criar um momento em que os responsáveis conversassem e pensassem sobre os diferentes assuntos do seu cotidiano, por meio de temas propostos; fazê-los refletir sobre a correria do dia-a-dia e como, com isso, os seres humanos se tornam automatizados. Logo, as pessoas não pensam sobre simples ações que poderiam fazer de forma diferente, ou ações que poderiam ajudar no seu dia e/ou na sociedade. Além disso, a ação também busca contar histórias de forma mais dinâmica e participativa, conseguindo assim prender a atenção de todos e tornar um hábito a contação de histórias, para que os pais sejam multiplicadores deste modelo, interagindo melhor com seus filhos e familiares, criando um momento de vínculo afetivo, diálogo e troca. Tudo através do uso da leitura!

Os encontros têm o mesmo tempo de duração que uma terapia (35 minutos). Divididos em três ações, sendo: a contação de histórias, realizada com um material leve e descontraído, para que os pais possam tornar esse momento com os filhos, mais dinâmico e prazeroso. Então, passam por um momento de escrita, onde são desenvolvidas as habilidades dos responsáveis, de acordo com o tema. E, por fim, a tomada de consciência, onde ocorrem debates sobre o tema abordado pelo livro.