A FONOAUDIOLOGIA NA OSDM

Na OSDM, estamos finalizando uma parceria de sucesso com o projeto NEDI/CMDCA. Como o setor de Fonoaudiologia foi um dos contemplados pelo Projeto, vamos, então, relatar um dos casos atendidos.
Enzzo, com 04 anos de idade, iniciou no setor de Fonoaudiologia da OSDM em meados de 2015, com diagnóstico médico de síndrome de Moebius. Além da fono, foi inserido na Psicomotricidade e na Terapia Ocupacional (setores também atuantes no projeto NEDI/CMDCA), e também na Fisioterapia Respiratória, Natação e Oficina do Brincar (setores complementares ao Projeto).
No decorrer da avaliação, foram detectadas características típicas da síndrome de Moebius: falta de expressão facial (face em máscara), inabilidade para sorrir e aceitação apenas de alimentação pastosa. Além destas, a equipe que atua com Enzzo identificou outras manifestações típicas de afetados pela Síndrome, como: estereotipias, comunicação não verbal, ausência de resposta a chamados, dentre outras.
E, em Agosto de 2016, Enzzo também recebeu o diagnóstico médico sugestivo de Transtorno do Espectro Autista – TEA.
No inicio do tratamento, a criança pouco interagia com a terapeuta, não usava brinquedos de forma funcional, realizava frequentemente movimentos de estereotipia motora (deitado no chão em decúbito ventral, fazia estereotipia com pernas e braços ao mesmo tempo), tapava os ouvidos ao se incomodar com algum tipo de som, não aceitava ficar sentado na cadeira, realizava pouca sonorização, além das alterações da musculatura orofacial e alimentação.
A proposta inicial foi a de convidar a mãe para participar de todas as sessões, visto que a mesma sempre relatava dificuldade em lidar com o comportamento de seu filho. Desta forma, ela pôde observar e participar de cada ganho, sabendo identificar seus limites e seus momentos de alerta, compartilhar das propostas de estimulação da comunicação, adequação da alimentação, estimulação articulatória (nem sempre permite esse tipo de toque) e comportamento.
Atualmente, ainda em parceria com a mãe de Enzzo, podemos identificar ganhos significativos: a criança já realiza algumas atividades de mesa, já usa alguns objetos de forma funcional, realiza imitação de gestos sociais, apresenta aumento do limiar de atenção, diminuição das estereotipias e mais sonorização.
Enzzo recebeu tratamento com uma equipe multidisciplinar e coesa, visando uma estimulação neurossensorial e apoio familiar. Podemos, nesse sentido, enfatizar também como ganho o aprendizado tanto da criança quanto de sua mãe, que levou ao conhecimento adquirido durante as terapias, conferindo-lhe reforço diário em casa.

 

Texto Escrito por Alexsandra Manhães – Fonoaudióloga da Obra Social Dona Meca – Contato: a.manhaes@osdm.org.br

** Esta é uma das ações do Projeto N.E.D.I. Aprendizagem, patrocinado pelo CMDCA.

Outras Matérias que possam te interessar:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: